Minha viagem a Cuba (8)

Nosso oitavo dia de viagem, 03 de janeiro, muitas atividades.

Ao redor do hotel que ficamos tinha um lindo e enorme lago, mas só vimos neste dia pela manhã.

vista parcial do lago

vista parcial do lago

eu e o lago

eu e o lago

Logo cedo saímos para nos encontrar com um grupo de ex-combatentes e ouvir um pouco as histórias de como foi a passagem dos guerrilheiros por aquele caminho, como os camponeses reagiam ao vê-los e também visitar um túmulo, em memória dos que tombaram  em batalha.

Neste dia houve realmente um problema no grupo pois nem todos queria ir, alguns preferiam conhecer Trinidade , que mesmo não estando no programa sabíamos que era linda, mas já estava agendado o encontro, e a história viva nos chamava.

Faltando uns quatro ou cinco quilômetros para o local, o ônibus enguiçou, e qual a solução? caminhar, caminhar, embaixo de um sol que dava pena, e lá fomos nós…..

Umas duas horas de caminhada e chegamos, junto com o ônibus que foi consertado, valeu para entrarmos em forma e imaginar um pouquinho de nada, a vida de um guerrilheiro, que calor…..

Estávamos em uma zona rural, com casas bem mais simples e curiosamente dois ou três prédios, no meio de pastagens, muito gado e cabritos.

Chegamos em uma escola onde três pioneiros nos aguardavam, lindos (pioneiros são crianças escolhidas para saberem contar toda a história de luta, que houve para que a revolução triunfasse, nesta região, as três crianças sabiam todas as batalhas das redondezas bem como a vida dos heróis).

Os dois ex-combatentes nos contaram detalhes dos acampamentos com Che e Cienfuegos com muito orgulho , e falaram que Che era realmente muito sério e só brincava com Cienfuegos, este com todos, era um brincalhão a qualquer hora, conforme consta nos livros).

Pela estrada

Pela estrada

Quando soubemos que teriamos que andar no sol - O ônibus não funcionava

Quando soubemos que teríamos que andar no sol - O ônibus não funcionava

os prédios rurais que falei

os prédios rurais que falei

ESta senhora que nos acompanhava era uma ex deputada e do partido comunista cubano. Há um ano ela foi deslocada para esta região para fazer contato com os turistas e fazer parte do CDR (conselho em defesa da revoluçaõ) local

Os pioneiros, declamaram poesias de Jose Marti

Os pioneiros, declamaram poesias de Jose Marti

Placa na entrada do cemitério onde tem o monumento pelos que tobaram em batalha

Placa na entrada do cemitério onde tem o monumento pelos que tobaram em batalha

A palestra dos dois ex-combatentes nos pés do monumento, foi emocionante !

A palestra dos dois ex-combatentes nos pés do monumento, foi emocionante !

Eu e Carlos com os ex-combatentes e mais amigas da excursão

ambiente rural

ambiente rural

Nos dirigíamos agora para Santa Clara, com o objetivo de conhecer o Mausoléu do Comandante Che Guevara. Era um momento emocionante para a maior parte da excursão que ainda não conhecia.

Vê-se de longe, é imponente a estátua do lider, e a sua frente uma enorme praça, não soube precisar se ali era um lugar de comícios, estranharia pois o lugar é meio fúnebre mesmo, não podemos tirar retratos lá dentro e nem falar, até aí certo, pois tem que haver respeito.

Lá dentro, onde estão os restos mortais, estão também dos companheiros que morreram com ele, e de apenas uma mulher, sua companheira.  O teto é todo trabalhado em madeira e as  paredes de pedra. Passamos em fila indiana, em silêncio e saímos, depois nos dirigimos para o museo onde tem vários objetos pessoais, desde seu boletim escolar, como sua bombinha para amenizar a asma na época da luta, roupas etc.

O maior impacto é do lado de fora, é grandioso.

João é fã do Che

João é fã do Che

Dilcéia, Heloisa e eu , admirando tudo

Dilcéia, Heloísa e eu , admirando tudo

a praça enorme em frente ao Mausoléu

A praça enorme em frente ao Mausoléu

Saindo daí nos dirigimos para os vagões blindados , hoje em exposição em praça pública, mas que foram usados na última tentativa de Batista de conter a  revolução. Contudo houve trabalhadores , em Havana, que passaram informações sobre isto e não foi surpresa para os revolucionários que atacaram o trem, retirando trilhos.

O tiroteio foi intenso mas chegou a um ponto que todos os que estavam dentro do trem se renderam e as munições ainda ajudaram a fortalecer a coluna revolucionária.

Após a tomada do poder estes vagões transportavam pessoas e cargas pelo pais normalmente, a pouco tempo é que alguns vieram para cá para ficar em exposição pois é necessário manter viva a história , e para isto é preciso contá-la, muito bom !

Os vagões viraram museo, tem muitos retratos da luta, dos trilhos arrancados, dos feridos.

Todos foram unãnimes em dizer que Che cuidava não só dos feridos revolucionários como dos do exéricito de Batista, talvez fosse tática de cooptação !

continuamos nosso caminho para o centro da cidade, onde ficaríamos no pior hotel de todo nosso intinerário, mas nossa guia já encaminhou uma reclamação para Cuba pois aquele hotel não estaria em condições de funcionamento, enfim, estavamos aproveitando da mesma forma, com hotel bom ou ruim,  e fomos dar uma voltinha na cidade pois ainda estava claro.

vista de nosso quarto

vista de nosso quarto

Um dentre tantos lindos, cada qual mais lindo que o outro

Um dentre tantos lindos, cada qual mais lindo que o outro

parada para uma pizza Cubana, é muito boa !!!!

parada para uma pizza Cubana, é muito boa !!!!

Para lembrarmos pra sempre, só bebia Tu cola, muito bom

Para lembrarmos pra sempre, só bebia Tu cola, muito bom

Vitrine de uma loja, produtos diversos, o que importa é a necessidade

Vitrine de uma loja, produtos diversos, o que importa é a necessidade

Tirei esta foto, embora o reflexo não tenha deixado ela boa, com o objetivo de mostrar que várias vitrines que vi, não seguiam nenhuma ordem ou “tendência”, não tem loja só de sapato, ou só de ternos, ou só de vestido, não há variedade, posto que isto é uma construção do capitalismo para que possamos consumir cada vez mais e aumentar a acumulação no processo produtivo, fim ultimo desta relação social  que é o capital, acumular cada vez mais, e esta acumulação não ser repartida pelos trabalhadore .

Podemos observar, torneiras, capacete para ciclitas, a direita um pneu, tapete para box, este tule azul, que chegamos a ver vestido de 15 anos com este tecido, além de parecer um buquê de rosas vermelhas, enfim, tudo que a pessoa precisar estará nas lojas.

Fantástica estas palavras pintadas dentro de uma loja

Fantástica estas palavras pintadas dentro de uma loja

Esta loja é para "funcionários do mês", interessante forma de premiação

Esta loja é para "funcionários do mês", interessante forma de premiação

Temos aqui a tendência a pensarmos de forma capitalista, o trabalhador que produzir mais ganhará uma recompensa. é isto mesmo, pois aqui esta produção a mais é socializada , é para todos, logo ele tem que ser premiado sim. Os produtos desta loja eram basicamente os mesmos, talvez um pouco mais de variedade. Os preços um pouco mais baixos.

Linda a fachada do "Palácio Provincial" - sede administrativa do governo local, aqui seria do  Estado

Linda a fachada do "Palácio Provincial" - sede administrativa do governo local, aqui seria do Estado local

Placa na portal do hotel que ficamos, pelo menos o hotel era histórico

Placa na portal do hotel que ficamos, pelo menos o hotel era histórico

Depois do jantar, fomos para uma reunião de um dos CDR locais, foi incrível, nos receberam com festa, sucos, abriram as casas para nós, e vários participantes falaram, médicos, engenheiros, dona de casa, estudantes, masi uma vez falaram da necessidade de ajudarmos nas campanhas pela libertação dos 5 presos nos EUA, e também da importância de se preparar as novas gerações, para saberem como era antes da revolução e as conquistas sociais advinda dela.

cataz de boas vindas para nós

cataz de boas vindas para nós

A senhora a meu lado era a responsável por este CDR mas eu já tinha visto duas entrevistas com ela na televisão, falando sobre o que a revolução trouxe de bom

A senhora a meu lado era a responsável por este CDR mas eu já tinha visto duas entrevistas com ela na televisão, falando sobre o que a revolução trouxe de bom

Nós com os legitimos representantes da democracia participativa, o povo

Nós com os legítimos representantes da democracia participativa, o povo

Carlos e os dois representantes , um do CDR e outro do PCC

Carlos e os dois representantes , um do CDR e outro do PCC

Após esta linda confraternização voltamos para o hotel pois este dia foi realmente cansativo.

continua……………

Minha viagem a Cuba (7)

Sétimo dia de viagem, dia 02 de janeiro. Saímos bem cedo ( a las 10h) a caminho de Santa Clara, mas paramos para almoçar em Camaguey, uma cidade linda, na província do mesmo nome.

Ano passado a UNESCO a considerou patrimônio Cultural da Humanidade e aos poucos a cidade está sendo restaurada.

Sabem o que me lembrou? os filmes do Zorro, a arquitetura é de característica espanhola, e nem podia ser diferente, e como é interior, não tinha edifícios, nem grandes estradas.

As ruas tortuosas e estreitas e uma grande praça principal, com a igreja histórica onde tem uma imagem do padre que lá viveu e já há um milagre reconhecido pela igreja católica, estão tentando recolnhecer o segundo para transformá-lo em Beato, seu nome era Olallo , também médico, salvou muitas vidas .

A igreja é linda, datada de 1700, com um madeiramento aparente do telhado muito trabalhado, embora já tenha sido restaurada mantiveram as formas originais.

Da torre do sino, onde subimos três lances de escada bem íngreme, pudemos observar uma vista única da pequena porém linda cidade.

O almoço foi uma delícia, nos pátios internos de uma das casas adaptadas para restaurante, com um conjunto tocando as músicas do Buena Vista Social Club.

Camaguey
Camaguey
arquitetura local
arquitetura local
Praça principal
Praça principal

torre da igreja
torre da igreja
Santissima Trindade
Santíssima Trindade

Esta última foto, que representa a Santísssima Trindade ( para quem não sabe , quer dizer: Pai, Filho e Espírito Santo), segundo o sacristão é a única imagem que existe cuja a Trindade está representada por três figuras iguais, pois para os cristãos os três estão em um só. Também segundo o sacristão o Vaticano proibiu  que se fizesse outra imagem como esta e também não pode mais fazer estas reproduções, é como se fosse uma heresia, interessante…

adorei esta foto
adorei esta foto
camaradas queridas
camaradas queridas

vista de Dilcéia com cidade ao fundo

Mais casario a la Zorro, lindo
Mais casario a la Zorro, lindo

Não tivemos também tempo de conversar com a população pois na parada do almoço aproveitamos para ouvir a música gostosa e admirar o locar encantador.

E seguimos caminho. Pela estrada afora nós fomos ……. a caminho de Sancti Spiritus, também uma província cuja cidade principal leva o mesmo nome.

O hotel era muito grande e com energia solar, claro que fotografei, vejam:

paines solares no hotel em Sancti spiritus
paines solares no hotel em Sancti spiritus

continua no próximo depoimento…….

Minha viagem a Cuba (6)

Neste  sexto dia de viagem (1º de janeiro) saimos cedo para fazer um lindo passeio, fomos ao Morro do Castilho e depois a praia dos corales. Íriamos a Sierra Maestra porém estava cerrada a entrada .

Afinal era o principal dia de nossa excursão, o dia da comemoração dos 50 anos do triunfo da revolução socialista, e esperávamos anciosos as 18horas para ouvir o discurso de Raul.

O Forte do morro é simplesmente maravilhoss, nunca entrei em nenhum forte naquele estado de conservação e uma das coisas que mais faço quando vou à Europa é visitar fortes. Contudo há uma coisa em Cuba que não tem na Europa, o mar do caribe, com suas águas , hora azuis, hora verde piscina, águas transparentes, imagine entrar na história com uma natureza paradisíaca em volta.

De lá saquei um número absurdo de fotos, de todos os ângulos e formas comigo e “sem migo”.

Depois fomos a um parque “natural”, onde dizem que encontraram fósseis de dinossauros. Não importa se é verdade ou não, o “parque dos dinossauros” é muito bacana, nada de mais, porém sacamos fotos.

Foram reproduzidos em cimento vários répteis gigantes desta época e até um homem das cavernas em tamanho gigante, o pessoal falava que era o Fidel da época, com todo o respeito, era uma brincadeira pois estávamos em seu país.

O almoço foi em um hotel que tinha sido reaberto cerca de 10 dias antes , mas já estava repleto de turista europeus em sua maioria.  Soubemos que muitos hoteis ainda estão fechados e aos poucos vão sendo reabertos, até porque o turismo está sendo expandido não tem duas décadas ainda.

Neste hotel foi bom pois na mesa ao lado havia duas senhoras e um senhor canadense, e começamos a falar em inglês, quando lembrei que talvez eles me entende-se melhor em francês, sucesso quase absoluto, aproveitei e parle beaucoup.

Neste dia , nosso contato mesmo com o povo foi muito pouco, não deu para sair perguntando tanto quanto gorstaria.

Vamos as fotos:

Até aqui parecia mais um forte

Vista incansável

Vista incansável

DETALHE:

TODA A SERRA AO FUNDO É A SERRA MAESTRA, É MUITA EMOÇÃO!!!

Teresa (PT Londres) e Rosalba (PCdoB)

Eu , o mar, a fortaleza e a bandeira de Cuba

Entrada de um Baia

Entrada de um Baia

João aproveitando

João aproveitando

Heloisa e Dilcéia pegando uma sombrinha

Heloísa e Dilcéia pegando uma sombrinha

translúcida

translúcida

Após a praia regressamos para o hotel pois o discurso de Raul seria as 18:00h.

Fomos para o centro da cidade para ver se havia algum telão ou alguma festa, contudo qual não foi nossa surpresa, os cubanos em casa para ouvir o discurso e nas ruas sómente os turistas, como nós.

Improvisaram uma tv grande em uma praça próxima de onde Raul estava, mas como já havia dito, não tínhamos acesso e os policiais estavam em maior número fechando todas as entradas para a a Praça .

Todos ouviram o discurso em um silêncio profundo. Quando terminou fomos procurar o pessoal da excursão que tinha se dissipado, achamos a Sônia, Dilcéia, Heloísa, Rosalba e outros companheiros em uma varanda de uma casa simples, onde elees pediram para entrar para assistir televisão e foram prontamente acolhidos.

Subimos também, pois um senhor muito idoso tinha sido ex combatente e tinha em sua parede da sala um postal do Rio de Janeiro.

Deram de presentes alguns livros do Lenin, tiraram de sua própria estante, um desprendimento material fantástico, que para nós é até difícil imaginar a cena, veja bem:  um grupo de estrangeiros passa por sua casa pede para entrar para ver televisão, você não só permite, como deixa sua casa ser fotografada, e ainda tira de sua estante seus livros e dá pra eles que logo se despedem agradecendo a acolhida, só em Cuba!

dsc04651

dsc04650

dsc04649

dsc04648

dsc04646

dsc04652

Minha viagem a Cuba (5)

No quinto dia (31 de dezembro) acordamos não sei como para continuar a viagem para Santiago. A alegria da noite anterior agora representava olhos fundos e sono em praticamente todos, sem contar que já começavamos a dar sinais de que passaríamos mal.  O ônibus quase todo foi passando mal aos poucos, quando uns ficavam bons, outra leva ficava ruim , e circulava uma garrafa de soro caseiro que salvou a todos, incluo-me nesta também, e em pleno 31 de dezembro.

Chegamos a Santiago ainda cedo, fomos direto para a praça onde tem a estátua de Antonio Maceo e uma escultura que significa a “explosão” do socialismo para toda a ilha, partindo de Santiago, berço da revolução.

Ainda no hotel em Bayamo- mensagem de fim de ano

Ainda no hotel em Bayamo- mensagem de fim de ano

as mensagens pelo pais

as mensagens pelo país

mais mensagens

mais mensagens

no monumento a Antonio Maceo

no monumento a Antonio Maceo

Dali seguimos para o ICAP local para uma reunião, porém ao chegar lá esta havia sido desmarcada, nos dirigimos para um dos momentos mais emocionantes para mim, o Quartel de Moncada.

Hoje, lá funciona uma escola militar e um museo, só podemos tirar fotos da parte do museo, e me senti como se estivesse voltando no tempo, entrando na história.

Ai está, o QUARTEL DE MONCADA

Aí está, o QUARTEL DE MONCADA

Eu e um painel da fachada
Eu e um painel da fachada
Trecho retirado do site fatos históricos
“A invasão do quartel de Moncada, localizado na Província de Santiago de Cuba, região oriental da ilha, foi a primeira ação armada liderada pelos irmãos Fidel e Raúl Castro contra o ditador Fulgêncio Baptista, e ocorreu em 26 de julho de 1953.Às 5h15min da manhã deste dia, durante o carnaval em Santiago de Cuba (que acontece todo final de julho), as portas dos galinheiros foram abertas e deixaram sair os automóveis. Começava o grande golpe.

A idéia era nada menos que tomar o quartel de Moncada, através de sua porta número 3, invadir o paiol de armas e munições, distribuir fuzis pelas ruas para que a população se juntasse aos rebeldes e, claro, começar um movimento insurreicional que culminasse com a derrota do ditador de então, Fulgêncio Batista.

Nada, ou quase nada, deu certo.

Um grupo, liderado por Raúl Castro e integrado por dez homens, ocupou um prédio vizinho, o Palácio da Justiça. Outro, liderado por Abel Santamaria e integrado por vinte e um homens, ocupou o hospital militar que era outro prédio vizinho, de cujo quintal e das janelas pensava-se dar cobertura a um terceiro grupo que comandado pelo líder máximo de todo o golpe, um jovem e fogoso advogado chamado Fidel Castro. Justamente este grupo começou o desastre.

Para começar, seus noventa e cinco homens foram divididos em uma vanguarda de oito, comandads pelo próprio Fidel Castro, um segundo grupo de quarenta e cinco, armados com espingardas calibre 22 e a única metralhadora disponível, e os quarenta e dois restantes formariam a “reserva de combate” e tinham fuzis de calibre mais significativo.

Ao aproximar-se da entrada do portão número três, o Buick verde que levava Fidel Castro foi detido por um jipe militar. Começou o tiroteio, e a partir daí foi tudo rápido demais para que alguém pudesse entender extamente o que estava acontecendo: do Palácio da Justiça e do hospital militar disparavam tiros sobre o quartel, Fidel e seus oito homens se enfrentavam com os homens do jipe, e do que se supunha sero paiol de armas e munições saíram soldados atarantados. O combate foi curto. Uma metralhadora calibre 30, colocada no meio do enorme gramado do quartel, varreu esperanças finais. Quando Fidel ordenou a retirada, percebeu que sua força reserva estava perdida: haviam tomado rua erradas. Para o fim das desgraças, os quatro homens que chegaram a entrar no paiol, não encontraram nada além de cinqüenta soldados que dormiam e tinham sido acordados com o tiroteio: como era carnaval, o paiol tinha sido transferido para outro lugar e ali dormiam soldados de folga que tinham estado na farra até poucas horas antes.

O ataque ao quartel de Moncada resultou em torturas e execução de metade dos participantes liderados por Fidel Castro. Fidel, impossibilitado de agir devido à rigorosa vigilância policial, procurou exílio no México, onde reorganizou suas forças.

Este episódio é considerado como o início da revolução que levaria Fidel ao poder em 1959.”

Todos tiraram retratos no portão 3

Todos tiraram retratos no portão 3

outdoors comemorativos

outdoors comemorativos

Dentro do Museo encontramos documentos e muitas fotos sobre a prisão de Fidel e seus companheiros bem como sobre seu julgamento, onde ele abriu mão de advogado e como excelente orador fez sua própria defesa, deixando para a história a célebre frase: A história me absolverá.

Depois desta visita fomos para o hotel, um recanto delicioso ao lado do zoológico da cidade. Recepcionados com mais cuba libre, o que já disse e repito, é leve leve leve, êta rum bom rs rs rs.

Saimos para um city tour na cidade e ver onde seria o discurso de Raul Castro no dia seguinte,  pois soubemos no ICAP , que o ato, pela primeira vez em 50 anos, seria fechado. Foi frustrante para muitos, mas confesso que pensei : se houve esta decisão deve ter  algum motivo.

As ruas ao redor da praça já estavam fechadas para tráfego, só podendo se chegar a pé.

Santiago foi a primeira capital de Cuba, atualmente é a segunda maior cidade , os prédios não são tão bonitos quanto Havana, mas também tem seu charme. A limpeza é algo desnecessário de falar, em todo o país não se encontra um papel sequer no chão.

Já estava anoitecendo e saimos correndo para conhecer tudo, era divertido, aquele grupo enorme andando rápido, e eu sempre atrás sacando las fotos, e todos gritando, saca la foto, venha, saca aqui, saca ali.

Este emaranhado de fios me chamou muito a atenção e é em toda a cidade, em Havana não é tanto mas é também

Este emaranhado de fios me chamou muito a atenção e é em toda a cidade, em Havana não é tanto mas é também

uma sacada em Santiago ao anoitecer

uma sacada em Santiago ao anoitecer

Ceia no Hotel, ANO NOVO

Ceia no Hotel, ANO NOVO

Praça onde haveria no dia seguinte o ato em comemoração aos 50 anos do triunfo da Revolução, mas apenas para 300 convidados

Camaradas sempre juntos

Camaradas sempre juntos

Uma rua de Santiago ao anoitecer

Uma rua de Santiago ao anoitecer

FELIZ 2009 !!!!

Minha viagem a Cuba (4)

Neste quarto dia (30 de dezembro) viajamos a caminho de Santiago de Cuba, no lado oposto da ilha.  O percursso é de mais de 900Km mas não fomos direto, paramos para dormir em Bayamo, província de Granma.

Logo no início do dia fomos avisados que o ônibus não aguentaria uma viagem tão longa, seria necessário a troca de ônibus.  Isto já fez a saída atrasar, seguimos pela estrada até a provincia de Cienfuegos onde em uma parada de ônibus aguardamos a chegada do outro.

O que foi interessante observar foram as pessoas , muita gente mesmo na estrada,  pedindo carona, pois o transporte inter provincial é precário ainda.  As pessoas ficam com dinheiro na mão para os motoristas saberem que elas pagarão  pela carona, “ensinamos” ao nosso guia Rolando, que falava português, que quando se paga não é carona , é lotação, uma lotada. Ele ria muito com nossas gírias e formas de falar diferente .

Claro que demorou mais de duas horas para o ônibus chegar, e a tal parada era super estruturada para receber turista, com lojinhas de tudo, e haja comprinhas para dar de regalo.

Que coisa!!  As muito feministas podem brigar comigo, mas mulher é mulher, e que bom que somos assim, até no país socialista não podemos ver lojinhas e vitrines, corríamos para ver preços e comprar, e algumas ainda falavam:  estamos comprando para ajudar Cuba, vamos comprar mais. Não importa o motivo, o importante era comprar e eu sacando la fotos.

Quando o ônibus chegou qual não foi nossa surpresa, vejam de onde é o ônibus:

Do Brasil

  

 

Este foi o hotel que ficamos em Havana, hotel Kolly

Este foi o hotel que ficamos em Havana, hotel Kolly

 

As pessoas na estrada pedindo carona, não sei se dá pra ver o dinheiro na mão

As pessoas na estrada pedindo carona, não sei se dá pra ver o dinheiro na mão

"transporte alternativo"

"transporte alternativo"

quantas comprar, rs rs rs rs

dúvida: quantas comprar, rs rs rs rs

João,Carlos,Dilcéia e Heloisa, esperando o novo ônibus

João,Carlos,Dilcéia e Heloísa, esperando o novo ônibus

HOtel onde nos hospedamos em Bayamo

HOtel onde nos hospedamos em Bayamo

 

A viagem prosseguiu de maneira tranquila e festiva, pois tínhamos um aniversariante, outro, e houve a maior confraternização de todos os tempos na esqueda brasileira . A festa no ônibus durou as quase 12 horas de percurso com direito a música brasileira, cubana ou cantoria local mesmo, tudo regado, claro, com o devido e precioso rum cubano, afinal estávamos em Cuba !!! atravessando o pais.

Minha viagem a Cuba (3)

Terceiro dia de viagem (dia 29 de dezembro) – Aniversário do meu filhão, 13 anos em Cuba, demais!!!!

Neste dia praticamente só tivemos reuniões, todas promovidas pelo ICAP (Instituto Cubano de Amizade com os Povos), aliás a agência de turismo que nos atendeu em Cuba foi a Amistour, do ICAP , e é especializada em turismo político.

Pela manhã fomos para a Praça da Revolução, onde tem o memorial do José Marti.  A praça é enorme, onde Fidel discursava e onde é realizado os grandes atos do primeiro de maio.

Belas avenidas, ao fundo o Memorial José Marti

Belas avenidas, ao fundo o Memorial José Marti

O ato que assistimos foi na Biblioteca Nacional, com outras excursões, inclusive encontramos outro camarada do PCdoB e sua esposa, o Alanir Cardoso do  Comitê Central , de Pernambuco, foi aquela festa !.

Neste ato falaram três ex- combatentes sobre como foram os preparativo para a tomada do poder, os enfrentamentos com o exercito de Batista. Foi uma aula de história, mas contada por quem a fez, é outra coisa! O que atrapalhou um pouco foi um tradudor de inglês que mal deixava o senhor acabar de falar 5 palavras em espanhol e traduzia imediatamente as 5 palavras, ficava meio difícil pensar de 5 em 5 palavras, todos sairam reclamando disto.

João na porta da Biblioteca Nacional

João na porta da Biblioteca Nacional

Havia um grupo enorme de brigadistas do Canadá, reparei que de todas as idades, muitos da 3ªidade.

O aniversariante e sua madre

O aniversariante e sua madre

Dali , saimos para sacar la fotos na praça da revolução, tudo muito rápido pois tínhamos um almoço na Casa del amistad e depois outro ato na sede do ICAP.

 

Grande campanha pela libertação dos cinco, em todo o pais

Grande campanha pela libertação dos cinco, em todo o país

Familia na praça da revolução

Familia na praça da revolução

Esta foto é tradicional

Esta foto é tradicional

ainda não falei dos palacetes. São muitos, um mais lindo que o outro, como as fotos antigas da Avenida Paulista com os palacetes dos barões do café. Havana é assim, tem muitas avenidas com aquele tipo de mansão, muitas foram transformadas em orgãos públicos, escolas, clínicas, quem não fugiu permaneceu dono de seu imóvel, e os que fugiram o governo colocou mais de uma família lá, porque dá e sobra, estou falando de palacetes mesmo.

Com relação a comida, também ainda não falei. Em cuba a carne de vaca chama-se carne de reis e quase não se come pois é muito cara, comem muita galinha e para os turistas muito porco ( o guia me falou que os cubanos não comem muito porco pois para eles é caro, isto porque o indaguei sobre o colesterol do povo, só comíamos porco, pensei que fosse um hábito nacional, não aguento mais ver porco , de nenhum tipo por um bom tempo).  comem arroz e feijão mas de forma diferente, o feijão vem misturado com o arroz , mas com pouco ou nenhum caldo, o arroz vem “sujo” do feijão e poucos carroços, a salada é composta de repolho, cenoura,couve,tomate e pepino ( em todos os lugares era esta salada, o que me faz crer que seja um hábito), adorei pois é o que costumo comer.

Não vi pelas ruas os cubanos fumando, isto me chamou atenção, nem charuto, nem cigarro, que bom !!! 

Voltando ao almoço, a casa de el amistad é um deste palacetes, com tudo repleto de mármores de todas as partes do mundo, carrara (Italiano) é o mámore mais comum, a ostentação antes da revolução devia ser enorme e o povo na maior miséria. O almoço servido foi o que falei, o arroz com feijão , a salada e o porco, a bebida,claro: Cuba Libre (já disse que o rum de lá escorrega, leve leve, ainda não tive saudade pois desde que cheguei já fiz duas cuba libre para mim e minha mãe, tenho uma companheira boa para isto rs rs rs).

coisa de turista, para mostrar escrito na placa "CUBA" rs rs

coisa de turista, para mostrar escrito na placa "CUBA" rs rs

 

Eu , Dilcéia e Heloisa, ao fundo o memorial José Marti

Eu , Dilcéia e Heloísa, ao fundo o memorial José Marti

Na casa da Amistad

Na casa da Amistad

Heloisa,Dilcéia, eu,João, Alanir e esposa

Heloísa,Dilcéia, eu,João, Alanir e esposa

Sede do ICAP em Havana

Sede do ICAP em Havana

Vista parcial da platéia no ato do ICAP

Vista parcial da platéia no ato do ICAP

Depois de visitar a mansão fomos para o ICAP, ao ato político, e conhecer outra mansão maior ainda, suntuossísima.

Neste ato , havia grupos de diversos países, e também representantes de embaixadas, de partidos políticos e estudantes ( os brasileiros da medicina ELAM, estavam lá), forma 3 falações  breves  de saudação ao triunfo dos 50 anos da revolução intercaladas com músicos cantantes famosos em cuba, dentre os que falaram , o presidente da CTC ( Central dos trabalhadores cubanos) , o representante da Escola de Medicina (um Chileno) e o presidente do ICAP.

 

Prédios construidos após a revolução enfrete ao ICAP

Prédios construídos após a revolução enfrete ao ICAP

Soube que há bairros onde moram pessoas mais pobres porém , como a desigualdade não é tão cruel, nem de longe, como a nossa, os prédios mais simples se misturam com as mansões pois o conceito é outro. A propriedade tem função social (aliás isto está escrito em nossa constituição, também chamada de constituição cidadã, pena que aqui é lei morta), logo , tanto faz ser um apartamento como uma casa, uma mansão , o importante é moradia, é não ter ninguem ao relento,  todos vivendo com dignidade (sem ser clichê).

Ao anoitecer fomos para o Hotel pois foi preparado um leitão a moda cubana para nosssotros e tinha um bolo para o João.

Jantar, de vermelho José (amiguinho cubano 12 anos)

Jantar, de vermelho José (amiguinho cubano 12 anos)

A dona da agência de viagem aqui do Brasil foi conosco e levou uma amiga cubana , psicologa para conversar bem como seu neto de 12  anos que só queria conversar com o João e o Pedro (outro rapazinho da excursão -14 anos) sobre o futebol brasileiro e política brasileira, não sei como foi o papo mas até onde ouvi meu filho só queria saber do play station que o menino cubano tinha, como conseguia os jogos, etc.

Parabéns para o meu filhão, 13 anos

Parabéns para o meu filhão, 13 anos

Minha viagem a Cuba (2)

No segundo dia, saímos cedo para conhecer mais a cidade , desta vez a parte moderna.

O motorista do ônibus era muito educado e filiado ao PCC, já o guia nunca foi filiado ao partido, embora tenha lutado também em Angola, na época da independencia.

Descemos de novo a Av. 23 , que é conhecida como a rampa, que dá no Malecon e ao invés de irmos para a direita, que daria em Havana Vieja, viramos para a esquerda , na direção do oceanário.

Para lá há vários hoteis lindos, bem comoum prédio que funcionava como hotel para os sovieticos até a queda do leste europeu e hoje é um prédio de apartamento . Nas ruas paralelas ao mar observamos várias hortas urbanas, como forma de aproveitamento do terreno para cultivo.

Vimos a embaixada da Rússia e seguimos para a ELAM ( Escola Latino americana de Medicina) mas não pudemos conhecer devido aos feriados, não havia quem autorizasse , mas conhecemos muitos estudantes brasileiros, inclusive dois do PCdoB da Bahia , tiramos retratos, ouvimos sobre o problema do reconhecimento do diploma de medicina aqui no Brasil, e todos se comprometeram em ajudar de alguma forma pois só pressão política para resolver este impasse.

Após este longo passeio de ônibus fomos para Havana Vieja  pois cada um queria fazer seu passeio.

As 17:00h combinamos com várias pessoas da excursão para vermos o balé “O fantasma”, uma adaptação do fantasma da ópera, no   GRAN TEATRO DE LA HABANA (teatro García Lorca), cuja fachada de estilo barroco é linda, decorada com colunas, estátuas e sacadas.

Neste dia, que era domingo, aproveitamos e fomos em uma feira de livros na praça das armas, não preciso dizer que achamos preciocidades e compramos bastante.

Havana fervilhava de turistas, com impressão que os europeus eram maioria, tudo é muito caro para nós, para dar um exemplo bem básico: uma lata de refrigerante local, o Tu cola (muito melhor que o parecido) em alguns lugares chegava a custar o equivalente R$6,00, o mais comum era pagar 3,00. Tudo justificável pois o turismo é a maior fonte de renda do país.

Almoçamos com Heloísa e Dilcéia uma saborosa lagosta com camarões, não me perguntem quanto foi, afinal estavamos em Havana! e na praça da Catedral.

Não observamos nenhum pedinte em toda nossas andanças e todos passeavam tranquilamente com suas máquinas fotográficas sem menor risco de nada.

Andamos de coquito, um taxi  tricíclo , que é muito gostoso pois permite que o vento do mar bata em nossos semblantes fazendo-nos, cada vez mais, entrar na magia cubana.

O Ballet foi um espetáculo a parte.

Tudo em Cuba tem um preço para os cubanos e outro para os turistas. Para os cubanos e alunos de outros países, os preços são subsidiados pelo governo, é muito barato, quase de graça, pagam em pesos normais. Os turistas pagam em pesos convertidos que equivale a 24 vezes mais que o peso normal.

O teatro estava lotado, gente de todas as idades, crianças, idosos, observamos em outras oportunidades também que cultura é muito incentivada no país, sabem discutir sobre música, literatura, poesia, política, independente da ocupação que exerce. Todos tem acesso a tudo, basta querer, está lá, para todos.

Encontramos com a Sônia, Alzira, Rosalba e ao final do espetáculo fomos a Floretita, bar preferido do escritor Hemingway mas estava tão lotado, mas tão cheio que desistimos , só deu para sacar la foto.

aliás vejam um pouco das fotos deste dia:

Por todo o Pais

Por todo o País

Embaixada da Rússia

Embaixada da Rússia

hortas urbanas

hortas urbanas

Avenidas largas e modernas

Avenidas largas e modernas

Ver aquário por fora é preferivel nem dizer que viu

Ver aquário por fora é preferível nem dizer que viu

Em frente a uma faculdade de medicina (Não era a ELAM)

Em frente a uma faculdade de medicina (Não era a ELAM)

Olha o sonho de mãe falando mais alto. Quem sabe?

Olha o sonho de mãe falando mais alto. Quem sabe?

Plaza del armas

Plaza del armas

Não pude resistir , tirei a foto

Não pude resistir , tirei a foto

Este é o coquito ou cocotaxi pegamos para ir ao teatro

Este é o coquito ou cocotaxi pegamos para ir ao teatro

Este é o prédio do teatro, do século XVIII

Este é o prédio do teatro, do século XVIII

Turista "paga mico" mesmo, não tem jeito. Eu e Hemingway, pode?

Turista "paga mico" mesmo, não tem jeito. Eu e Hemingway, pode?

A foto saiu horrivel mas é a única que temos, ai está a "patota"

A foto saiu horrível mas é a única que temos, aí está a "patota"

Depois pegamos o taxi e fomos para o forte ver o Caionazo, que acontece as 21:00 todos os dias desde o século XVII, quando nesta hora os portões da cidade eram fechados e todas as pessoas tinham que se recolher.

Os guardas se vestem com trajes de época, fazem fila, e todo o procedimento de preparar um canhão para dispoarar, só que não colocam a bala, fazem o disparo só com pólvora.

Fica lotado, disseram que é assim todos os dias, conversei muito com dois casais jovens, na faixa de 25 a 30 anos, sobre o cuba, foi difícil mas consegui, ouvi mais do que falei. Muitos questionamentos, o que mais se faz presente é o de uma pequena parcela que é envolvida com turismo , ganha em  peso convertido e gostaria de poder conhecer outros países, contudo o ideário revolucionário não é questionado, sabem que as conquistas sociais não sõa um direito natural e que bem ao lado, mesmo nos EUA a situação é diferente.

Existe um orgulho no povo, e muita expectativa no Brasil, Lula é muito querido entre todos com quem falei.

Percebem pelo sotaque que somos brasileiros e falam logo de Lula, foi o primeiro pais que visitei, e olha que já passaram de 20, que não falaram Pelé (não que o Pelé não tenha seu valor, claro que tem e tenho orgulho que o maior astro do futebol seja brasileiro), estou chamando aqui a atenção para perceberem que a política é um assunto corrente entre o povo ,tanto que pensam primeiro em Lula.

Até amanhã