Amor e política

Brasil de fato

Não podemos deixar de hesitar quando nos defrontamos com o discurso cristão sobre o amor

04/02/2011

 Leandro Konder

O sentido com que a palavra amor costuma ser mais frequentemente utilizada é o de uma exasperação afetiva.

O prestígio do amor na literatura e nas artes é antigo e imenso. A grande dificuldade para enfrentar os mistérios e as dores do amor é o problema da falta de entrosamento dos indivíduos tais como se dispõem (ou não se dispõem) a assumir sua pertinência a uma comunidade.

Todos nós atravessamos a zona de dificuldades que, inevitavelmente, tumultuam a solidão em que o mercado – deus todo poderoso da sociedade burguesa – cria mecanismos cheios de sutileza e coerção para nos levar a fazer o que não queremos e a querer o que não fazemos.

O amor é sempre posto à prova e nunca se sai inteiramente bem. Os jovens, sobretudo, são chamados a decidir se investem em relações duradouras ou em “casos” fugazes.

A ternura pode ser temeridade de quem tem medo, ou desarmamento de quem quer e teme amar.

Quase todos os heróis de romances da segunda metade do século 19 e do século 20 são pessoas completamente envolvidas nos problemas da relação amorosa possível na sociedade burguesa.

Diversos leitores e críticos já apontaram essa convergência. Por mais que ela seja desejada, há um conflito inerradicável entre alguém que está amando e alguém que está calculando um prejuízo mensurável.

Recentemente, ficamos todos emocionados ao vermos a força do afeto amparando os sobreviventes da desgraça da região serrana do estado do Rio de Janeiro. E repetimos a nossa experiência de nos sentirmos envolvidos numa área obscura e incerta das relações entre indivíduos que se amam e indivíduos que não podem deixar de contabilizar prejuízos e distribuir recursos provenientes de movimentos de solidariedade.

De nada adianta contarmos a cruel persistência do nosso problema e verificarmos que ele não se modifica. A correção de uma distorção funcional como aquela que junta os indivíduos em torno de algumas ideias ou de alguns homens, é uma correção inviável. O que precisaria ser alcançado seria a reunião dos indivíduos, estimulados na sua generosidade, como vimos num movimento apenas esboçado no caso das inundações que causaram tanta destruição em Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, entre outras cidades da região.

O que mais nos surpreende nesse e outros episódios é a força que o amor, geralmente vencido, mostra aos autonomeados vencedores. Mesmo golpeado sem clemência, o amor passa a ser a mais vigorosa das nossas reflexões.

Um poeta espanhol, Antonio Machado, que morreu na primeira metade do século 20, assinalou essa força na linguagem: “a las palavras de amor les senta bien su poquito de exageración” (às palavras de amor lhes cai bem um pouquinho de exagero). O amor procura se expressar na esperança daquele que se declara amoroso, mesmo que uma vitória pouco sólida na esfera da vida privada tenha chegado a alimentá-lo, misturando-se a mentiras e mistificações.

O amor é bem mais abrangente do que a paixão. Para o uso cotidiano do conceito a diferença, quando reconhecida, legitimava o sentimento em sua forma lapidar e também no nível do enlouquecimento amoroso. Ainda hoje há pessoas que acham que um amoroso possuído por uma paixão se põe automaticamente fora do âmbito da justiça e é imune aos juízos humanos em geral.

É extremamente difícil julgar grupos humanos em situação de conflito. Na verdade, estamos sempre julgando a nós mesmos. E, como não somos “neutros”, criamos artifícios para nossos “expedientes”.

O fato de percebermos o caráter interessado de nossas manobras na esfera da auto-ilusão não deve enfraquecer a consciência que temos de um certo facciosismo, por nós combatido mas reconhecido em suas características perversas.

Não podemos deixar de hesitar quando nos defrontamos com o discurso cristão sobre o amor. Esse discurso ora parece ser demasiadamente consolador e inócuo; em outros momento, porém, constatou-se uma reação interna e forte à perspectiva conservadora de que estava embutido.

Leandro Konder é colunista semanal do Brasil de Fato.

Publicado originalmente na edição 413 do Brasil de Fato

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s