Egito amanhece sob blecaute eletrônico no quarto dia de protestos contra Mubarak

do opera mundi

 Desde os primeiros minutos desta sexta-feira (28/01), inúmeras páginas e endereços da internet no Egito estão inacessíveis, segundo os usuários. O serviço de troca de mensagens curtas por celular (SMS) também foi afetado. Além disso, os egípcios não conseguem acessar as redes sociais Facebook e Twitter, conforme relataram jornalistas no local.

Gráficos disponibilizados na rede pela empresa de monitoramento Renesys mostram que à 0h34 (hora local) praticamente todas as rotas das redes egípcias deixaram de ter tráfego para os demais países.

O problema surge horas antes de uma nova manifestação, programada pela internet. Desde a década de 1960, manifestações só podem ocorrer no Egito com autorização governamental. 

Leia mais:
Egito: manifestantes desafiam proibição e protestos entram no terceiro dia
Violência aumenta nos protestos contra Mubarak; 6 morrem e 300 são detidos
Protestos contra o governo levam milhares às ruas do Egito e deixam ao menos três mortos
Como forma de protesto, quatro homens ateiam fogo ao próprio corpo no Egito
Depois da Tunísia, protestos contra governo chegam às principais cidades do Egito

Nessa quinta-feira (27/01), o governo negou qualquer interferência nos provedores ou nas páginas das redes sociais, como já havia sido denunciado nos três primeiros dias de protestos populares contra a situação econômica do país e o presidente Hosni Mubarak.

Na redes sociais, é imensa a quantidade de mensagens dizendo que os egípcios temem pela reação da polícia, mas não vão desistir das manifestações programadas paraa logo depois das orações muçulmanas.

Até hoje, sete pessoas morreram nas manifestações, entre manifestantes e policiais, tanto no Cairo quanto na cidade de Suez, na entrada sul do canal de mesmo nome.

Além disso, dezenas de pessoas ficaram feridas nos confrontos e centenas foram detidas. Em ao menos 40 casos, os detidos são acusados de tentativa de derrubar o regime.

El Baradei

O ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) Mohamed El Baradei, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2005 e ativista da oposição egípcia, chegou nesta quinta-feira (27/01) ao Cairo para se unir aos protestos políticos. Em sua chegada ao aeroporto internacional do Cairo, El Baradei, que vinha acompanhando as manifestações, disse aos jornalistas que a mudança no Egito “é inevitável”.

“Acho que este é um momento fundamental para o futuro do Egito”, afirmou El Baradei em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional do Cairo. “Quero garantir que nos dirijamos a um processo de mudança pacífico”.

El Baradei lidera o grupo opositor Assembleia Nacional pela Mudança e foi criticado por sua ausência no Egito. Ele volta com a intenção de dirigir a transição no país, caso o atual presidente abandone o poder.

Siga o Opera Mundi no Twitter  
Conheça nossa página no Facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s