Wikileaks: a vez dos paraísos fiscais?

outras palavras

Antonio Martins

18 de janeiro de 2011

//

 

Diretor de banco entrega a Assange dados de evasão de impostos que podem comprometer autoridades e multinacionais

“O homem comum precisa saber como funciona o sistema [que permite aos ricos e às grandes empresas livrar-se do pagamento de impostos]. Sei como ele funciona. Estive ali e conheço o dia a dia do negócio”. Com estas palavras, o suíço Rudolf Elmer, ex-diretor do banco Julius Balmer, entregou ontem, a Julian Assange, um vasto acervo arquivos eletrônicos que podem comprometer autoridades e grandes empresas.

O ato, celebrado no Front Club de Londres e aberto à imprensa, pode recolocar em foco um dos aspectos mais sombrios da globalização: os paraísos fiscais, territórios utilizados pelo grande capital e por grupos criminosos para ocultar operações ilegais e sonegar tributos. Elmer atuou num destes pontos. Entre 1995 e 2002 ele foi o responsável pelas operações do Balmer nas Ilhas Caiman. Desde então, procura debater com governos, universidades e centros de estudos econômicos maneiras de enfrentar tais “paraísos”. Criou um site pessoal dedicado ao tema. Mas enfrenta enormes obstáculos. Em 2005, a justiça suíça obrigou-o a cumprir 30 dias de cárcere, por revelar segredos bancários. No final do mês, deverá voltar a uma corte em seu país, sob idêntica acusação.

Elmer enxergou no Wikileaks uma forma de dialogar diretamente com a opinião pública. Embora o site de que Assange é referência tenha se notabilizado em 2010 por revelar relatórios diplomáticos norte-americanos, ele não se limita a isso. É uma plataforma protegida, na qual detentores de sigilos que incomodam o poder podem fazer revelações (veja nossa matéria). Antes de publicadas, as informações são verificadas exaustivamente, por uma equipe de redatores e um batalhão de voluntários. Por isso, Assange não quis adiantar nada, ontem, sobre o conteúdo dos arquivos que recebeu.

Os paraísos fiscais caracterizam-se por cobrar impostos reduzidíssimos sobre as operações financeiras lá realizadas; e por protegê-las de investigações. Existem há décadas, mais multiplicaram-se com a globalização financeira. Como são territórios minúsculos, com populações muito pequenas, mantêm padrão de vida elevado, mesmo tributando muito pouco. A luta contra eles cresceu em todo o mundo ao longo da última década. Movimentos como o ATTAC e o Tax Justice International passaram a questionar o motivo de as sociedades permitirem sua existência, quando sabe-se que suas finalidades básicas são acobertar atos ilegais. Na Biblioteca Diplô há um dossiê sobre eles.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s