Unasul quer discutir rompimento diplomático entre Venezuela e Colômbia

do site opera mundi

Após o anúncio do rompimento das relações diplomáticas entre Venezuela e Colômbia, o ex-presidente Nestor Kirchner, atual secretário-geral da Unasul (União das Nações Sul-Americanas), o presidente temporário da organização, o equatoriano Rafael Correa e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva começaram a costurar um plano para a crise sul-americana.

O desejo é o de debater na Unasul a situação, anunciada na tarde de ontem (22/7) pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, após o embaixador colombiano na OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Alfonso Hoyos, fazer uma série de acusações contra a Venezuela, que estaria abrigando guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e ELN (Exército de Libertação Nacional).

Ontem, o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, pediu que a Unasul convoque “de maneira imediata” uma reunião de seu Conselho Político para que avalie a crise. “Solicitamos de maneira imediata” que se reúnam os chanceleres do bloco para que o governo venezuelano “denuncie e leve ao debate esta agressão para que a Unasul dê uma resposta”, declarou Maduro.

Leia mais: 
Análise: Por que Chávez rompeu relações com a Colômbia
Venezuela rompe relações diplomáticas com Colômbia
Embaixador da Venezuela protesta contra editorial do Estadão 
Colômbia convoca embaixadora na Venezuela para consultas 
Venezuela convoca embaixador em Bogotá para debater ataques da Colômbia
Ex-presidente da Colômbia diz que Uribe representa época sinistra em relações exteriores

O próprio Chávez, conforme noticiou o jornal argentino Página 12, telefonou a Kirchner e aos presidentes Correa e Lula para comentar a situação. O cenário indica que o presidente venezuelano não quer mais qualquer envolvimento da OEA, que ontem aceitou escutar as denúncias colombianas e cujo presidente, José Miguel Insulza, foi criticado pelo Equador, por meio de seu chanceler, Ricardo Patiño. “Insulza tem agora a responsabilidade pelo que ocorreu na região por não ter atendido as consultas que nós pedimos.”

Patiño sustentou que a Unasul tem mais capacidade de lidar com a crise. “A Unasul tem mais capacidade de diálogo”, afirmou, porém, sem detalhar os próximos passos que o bloco daria, explicou, para não “cair nos mesmos erros” de Insulza. “Consultarei o presidente (Correa) para que me dê coordenadas a respeito do tema. Sequer quero adiantar a possível data de uma reunião de emergência. Não quero me precipitar, acredito que deveríamos consultar os governos da América do Sul”, explicou Patiño.

Retrospecto de Uribe

Resta agora conhecer a disposição do presidente colombiano, Álvaro Uribe, em participar de um debate na Unasul. Uribe passará a faixa presidencial para o presidente eleito, Juan Manuel Santos, no próximo dia 7 de agosto.

Em agosto do ano passado, após a Colômbia anunciar a instalação de mais bases militares em cooperação com os Estados Unidos, Uribe aceitou a convocatória para uma reunião da Unasul em Bariloche, Argentina, e evitou um rechaço generalizado das nações sul-americanas.

Leia mais:
“Não há saída para a Colômbia fora da política e da democracia”
Venezuela desmente informações da Colômbia sobre guerrilheiros
Venezuela parabeniza Colômbia por bicentenário e fala em unidade
Chávez acusa EUA de estarem por trás de nova denúncia colombiana

O rompimento dos laços diplomáticos foi anunciado por Hugo Chávez na tarde de ontem. Na ocasião, acompanhado de Diego Maradona, ele disse ter sido “obrigado” a tomar tal atitude frente às acusações colombianas. Autoridades de Bogotá denunciam que guerrilheiros estariam escondidos em seu país com o consentimento de Caracas.

A decisão foi tomada no momento em que o Conselho Permanente da OEA se reunia em Washington para analisar a crise. Perante os membros da entidade, a representação colombiana fez uma série de ataques, denunciando a presença de guerrilheiros das Farc e do ELN em ao menos 87 acampamentos em cidades venezuelanas. Foram apresentados documentos, imagens, vídeos e coordenadas de onde estariam instalados os criminosos.

A Venezuela, por meio do diplomata Roy Chaderton Matos, repudiou as declarações e negou que estas fossem novas denúncias, esclarecendo que em 2005 já foram feitas inspeções nas regiões citadas.

Um pensamento sobre “Unasul quer discutir rompimento diplomático entre Venezuela e Colômbia

  1. E lamentável que alguns países latinos se vende para os americanos e europeus,
    Somos um país livres não devemos aceitar que outros países mandem em nossa economia e nossa vida.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s