Conferência de Cochabamba termina com pedido por referendo climático mundial e críticas aos EUA e à ONU

do site opera mundi

23/04/2010 | Charles Nisz* | enviado especial a Cochabamba Martin Alipaz/Efe (22/04/2010)

A Conferência Mundial dos Povos sobre a Mudança Climática (CMPMC) encerrou com uma advertência à ONU (Organização das Nações Unidas), críticas aos Estados Unidos e a exigência aos países industrializados de que reduzam para a metade suas emissões de gases do efeito estufa até o ano de 2020.

Primeiro a falar, o presidente boliviano Evo Morales fez uma avaliação da conferência e sublinhou que os grupos de trabalho definiram três linhas para a atuação pós-CMPMC: as conclusões finais da reunião devem ser discutidas nos eventos preparatórios para a CoP-16, a ser realizada em Cancún (México), em dezembro; a instauração de um Tribunal Internacional de Justiça Climática; e que haja um referendo climático global.

Leia também:
CoP-16 deve se espelhar na Conferência de Cochabamba, diz especialista
Pouco ouvidos em Copenhague, países pobres exigem “justiça climática” em Cochabamba
Direitos humanos e direitos da natureza: dois nomes da mesma dignidade, por Eduardo Galeano

Esteban Lazo, vice-presidente de Cuba, disse que “é hora de combater as causas e não apenas as consequências do aquecimento global”.  Segundo ele, “as empresas são as maiores responsáveis pelas mudanças climáticas” e os países desenvolvidos devem disponibilizar recursos para enfrentar esse problema: “os EUA destinaram dois trilhões de dólares para salvar os bancos e não querem pagar a conta para combater o aquecimento global”.

Martin Alipaz/Efe (22/04/2010)

Da esquerda para a direita, o vice-presidente de Cuba, Esteban Lazo (Cuba), o vice boliviano, Álvaro Linera, Evo Morales, Hugo Chávez e o dirigente sandinista Tomás Borge

Lazo criticou a postura norte-americana em relação às negociações do clima: “Antes de tentar impor o Acordo de Copenhague aos outros países, os EUA deveriam cumprir as determinações do Protocolo de Quioto”.

Oferta equatoriana

A fala de Lazo sobre o Protocolo foi o gancho para a intervenção de Ricardo Patiño, chanceler equatoriano. Patiño revelou que os EUA cortaram 2,5 milhões de dólares em fundos de cooperação com o Equador porque o país andino se recusou a ratificar o Acordo de Copenhague.

O chanceler classificou a atitude como “chantagem” e contou que, em resposta, o presidente Rafael Correa ofereceu o mesmo valor aos EUA, caso os norte-americanos se propusessem a ratificar o protocolo de Quioto.

Correa propôs a criação de um imposto sobre as exportações de petróleo na OPEP (Organizaçao dos Países Exportadores de Petróleo) e busca fundos internacionais para deixar intocadas cerca de 20% das reservas petrolíferas equatorianas, disse o chanceler.

De acordo com Patiño, a “o aquecimento global tem dois pontos críticos: poderá ameaçar a democracia e causará fome no mundo”. Também segundo o chanceler equatoriano, “está se desenhando uma nova geopolítica: uma oposição entre os países emissores e países afetados pelos efeitos das mudanças do clima”.

Patiño reafirmou a necessidade de se estabelecer um Tribunal Internacional de Justiça Climática e considera a Conferência de Cochabamba “uma resposta ao fracasso da última CoP”.

Mídia x Conscientização

Hugo Chávez, presidente da Venezuela, foi o último dos representantes de Estado a falar durante a coletiva. Para Chávez a questão climática também se converterá numa “guerra midiática”. “Resolver os problemas ambientais depende de informação e de conscientização. E aos grandes conglomerados midáticos não interessa esclarecer a população”, disse ele.

Chávez contou que “ele e Evo Morales não puderam falar durante a última sessão da CoP-15 e mostrar seu descontentamento com o acordo ratificado na capital dinamarquesa.  “Como não pudemos falar em Copenhague, teremos que levantar a voz em Cancún e fazer conhecidas as demandas da sociedade civil e dos movimentos sociais”, disse o presidente venezuelano.

Segundo as denúncias de Chávez, os EUA estão aplicando uma “diplomacia seletiva” com negociações a portas fechadas para conseguir adesões ao acordo de Copenhague, que não estabelece metas de redução de gases poluentes, ao contrário do Protocolo de Quioto.

O acordo assinado em 1997 no Japão estabelece que os países industrializados devem reduzir em 5% as emissões de gases do efeito estufa entre 2008 e 2012, com relação aos níveis de 1990. No entanto, este aspecto não está sendo cumprido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s