11 anos da agressão da NATO à Jugoslávia

1999-2010

Assinalam-se hoje 11 anos sobre o início da agressão da NATO contra a República Federal da Jugoslávia, perpetrada a 24 de Março de 1999.

Durante 78 dias, em total violação da Carta das Nações Unidas e desrespeitando o direito internacional, o território da Jugoslávia foi sujeito aos criminosos bombardeamentos da NATO, que deixaram um rasto de morte e de destruição e incontáveis prejuízos materiais e económicos, que levarão gerações a recuperar.

O brutal ataque à Jugoslávia provocou a morte a cerca de 4 mil pessoas, a grande maioria civis, e deixou mais de 10 mil feridos – homens, mulheres e crianças, de todas as etnias, que ainda hoje sofrem e continuarão a sofrer os efeitos da utilização pelas forças da NATO de munições de urânio empobrecido e bombas de fragmentação.

Apresentada como uma guerra «humanitária», recorrendo a poderosos meios de propaganda através dos quais a NATO difundiu a sua mentira, a agressão à Jugoslávia era parte integrante de um plano mais vasto com vista ao seu alargamento ao Leste da Europa e ao cerco cada vez mais apertado à Rússia, e à reformulação ainda mais agressiva do âmbito de actuação geográfica e operacional deste bloco político-militar – no mesmo ano de 1999 em que, na cimeira realizada em Washington, a NATO alterou o seu conceito estratégico para dar cobertura formal às novas funções que se prestava a empreender nos Balcãs e pouco mais tarde iria desencadear noutras partes do mundo.

Hoje, mais de uma década depois desta brutal e imoral agressão, a Jugoslávia foi desmantelada, sendo que antigas repúblicas ou províncias são meros colonatos sob controlo da NATO. É o caso do Kosovo, onde foi imposta uma ilegal “declaração de independência unilateral”, reina o crime organizado e está instalada uma das maiores bases militares dos Estados Unidos da América no mundo – Camp Bondsteel.

Recorde-se e denuncie-se igualmente a vergonhosa conivência e participação dos governos portugueses, desde o primeiro momento, nesta brutal agressão e violação do direito internacional, corroboradas pelo envio ontem mesmo de mais um contigente de 194 soldados paraquedistas para o Kosovo

No momento em que a NATO pretende, na cimeira que realizará este ano em Portugal, intensificar ainda mais a sua natureza agressiva e ambição de domínio mundial, nunca é demais lembrar o que foi esta criminosa, ilegal e imoral agressão.

Esta memória, fundamental para entender o tempo presente, constitui uma razão mais para que se afirme bem alto «Paz Sim! NATO Não!».

Neste sentido, e integrado no âmbito da «campanha pela Paz e contra a realização da cimeira da NATO em Portugal», o CPPC convida todos os cidadãos e cidadãs amantes da paz a participar numa iniciativa pública que assinalará esta data no próximo Sábado, na Rua do Carmo, em Lisboa, pelas 15 horas
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s