A crescente influência da China na América Latina

do portal da CTB

27/07/2009
Um dos acontecimentos mais relevantes em curso no mundo hoje é a vertiginosa ascensão da China à condição de grande potência econômica mundial e principal rival, neste terreno, dos Estados Unidos, cujo poderio está em franca decadência. Os efeitos desta ascensão são sensíveis e crescentes na América Latina, envolvem diversos aspectos da economia política, com destaque para o comércio.

“A China é o maior país em desenvolvimento do mundo. A América Latina e o Caribe são regiões em desenvolvimento muito importantes. Ambos encaram a mesma missão de desenvolver e dividir um amplo aspecto de interesses em comum”, afirmou recentemente o ministro das Relações Exteriores da mais próspera nação asiática, Yang Jiechi.  Naturalmente, as relações com o Brasil merecem destaque.

Deslocando os EUA

O Brasil anunciou há algumas semanas que a China se tornou seu principal parceiro econômico nos primeiros seis meses de 2009, superando os Estados Unidos pela primeira vez. Apesar da crise global, o volume de mercadorias brasileiras importadas pela China cresceu mais de 40%.
Alguns analistas acreditam que a vantagem chinesa se deve sobretudo à crise econômica e que, passada esta, é provável que os EUA reconquistem o primeiro lugar entre os parceiros do Brasil. Outros acham que, em médio e longo prazo, a tendência ao declínio do mercado norte-americano tende a prevalecer, até mesmo em função da necessidade de corrigir os chamados desequilíbrios globais. Seja como for, o fato confirma uma tendência na América Latina: a influência da China na região está em alta.

Negócios e matérias primas

Kerry Brown, especialista em assuntos asiáticos do think tank britânico Chatham House, compara as relações econômicas entre a China e os latino-americanos ao papel do país na África: “O interesse primordial da China na América Latina são negócios e recursos naturais”.
O comércio é vital para a China, concorda Hanns Günther Hilpert, também especialista em Ásia no Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e Segurança (SWP) em Berlim. Ao conduzir suas relações exteriores, o país tem sempre em mente o benefício de seus interesses comerciais e o próprio desenvolvimento.

Soberania

Como no caso da África, Pequim está especialmente interessada em recursos naturais e energia, tendo se tornado o maior importador de cobre, minério de ferro, ouro e petróleo latino-americanos. Mas não se trata de uma relação de mão única, ressalva Hilpert. “A América Latina é um enorme mercado exportador para a China, a atual líder em manufatura industrial.”

De artigos eletrônicos a automóveis, cada vez mais produtos vendidos na América Latina trazem o selo made in China. Ao aumentar suas exportações para a região, Pequim persegue uma estratégia de diversificação. “Eles não querem ficar dependentes demais dos mercados norte-americano e europeu”, explica Hilpert. O inverso também é verdadeiro. Apesar das contradições que desperta com a agressiva competitividade de sua indústria, a ascensão da China contribui para reduzir a dependência dos países latino-americanos em relação ao mercado estadunidense e fortalece a luta por modelos de desenvolvimento soberanos e divergentes do Consenso de Washington.

Influência política

Embora o foco comercial esteja bem definido, a economia não é tudo para os chineses. “É claro que também perseguem certos interesses políticos”, comenta Brown. “Eles querem que a primazia da China sobre Taiwan seja reconhecida e fazem disso uma condição para investir em outros países.”

Os taiwaneses ainda mantêm relações com algumas nações da América Central e com o Paraguai, mas a China tenta isolar Taiwan e os governos que o reconhecem, acrescenta Hilpert. “A China também tenta promover seu princípio de não-interferência em questões internas, incluindo as de direitos humanos. Ela procura aliados e pode encontrar alguns entre os latino-americanos.”

Além disso, acrescenta Brown, os chineses também já inauguraram diversas sedes do Instituto Confúcio na América Latina. Teriam os EUA e a União Europeia motivos para se preocupar com a crescente influência chinesa na região? “A questão não é tanto a América Latina, mas sim a corrida por influência na governança global, e nesse aspecto a China está entre os grandes adversários do Ocidente”, explica Hilpert.

Porém, é preciso ponderar a ascensão da China e o enfraquecimento do poderio econômico dos EUA, pois, conforme assinalou recentemente o autor argentino Andrés Oppenheimer em sua coluna para o Miami Herald, o investimento direto norte-americano ainda é muito superior ao da China na América Latina e no Caribe. Enquanto as empresas estadunidenses lá injetaram 350 bilhões de dólares em 2007, os chineses não passaram dos 22 bilhões.

(Portal CTB, com informações do sítio dw.world.de)

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s